Conheça 10 livros sobre a cultura hacker!

Descubra livro sobre a vida, façanhas e mais sobre hackers pelo mundo todo!

A internet é um lugar vasto e desprotegido, mas muitas empresas gastam bastante dinheiro para terem suas informações devidamente em segurança. E é aí que hackers entram em ação, seja pelo bem, para ajudar a testar a segurança ou pelo mal, para invadir, por dinheiro ou por um motivo pessoal, eles abusam de conhecimentos cibernéticos para coletar ou proteger informação!

Um dos maiores ‘hackers’ conhecidos no mundo de hoje é Edward Snowden, um analista de sistema e ex-administrador cibernético da CIA e ex-contratado da NSA que trouxe a público várias informações sobre o Sistema de Vigilância da NSA americana.

Sua história ficou tão famosa que teve uma adaptação para o cinema e também um livro escrito por Glenn Greenwald, este que adentra nossa lista de dez livros sobre cultura hacker.

1- Sem lugar para se esconder – de Glenn Greenwald.

Em meados de 2013, o jornal britânico The Guardian publicou uma série de matérias que desvendavam a vigilância ilimitada praticada pela NSA, a Agência de Segurança Nacional norte-americana. As reportagens, assinadas pelo ex-advogado e jornalista Glenn Greenwald, revelaram ao mundo que a inteligência do país estava espionando em larga escala não só as comunicações domésticas, mas também as de outros países, inclusive os aliados.

As denúncias suscitaram um longo debate global, ainda em curso, sobre o direito à privacidade e o alcance da vigilância governamental. Neste livro, Greenwald conta, desde o início, como foi escolhido por Edward Snowden para ser o receptor dos dados confidenciais que formaram o escopo de seu trabalho jornalístico.

Além de falar sobre o período que passou com Snowden, ex-prestador de serviços da NSA que se tornou um dos delatores mais célebres da história moderna, o autor reflete sobre o papel que a mídia desempenha no jornalismo atual, alinhando-se aos interesses dos governos em detrimento dos cidadãos. Trata também das consequências, para a democracia, de um programa de supervisão ininterrupta e irrestrita de pessoas, empresas e governos.

Greenwald ainda revela novas informações sobre o abuso de poder da NSA e propõe medidas para conter o alcance aparentemente inflexível dos aparatos de vigilância norte-americanos.



2- Fantasma no Sistema, minhas aventuras como o hacker mais procurado do mundo – de Kevin Mitnick.

Há alguns dias atrás, revirando algumas caixas velhas na casa de meus pais, encontrei um How To escrito por Kevin Mitnick de como utilizar celulares OKI 900 para escutar conversas alheias, clonar celulares e de como conseguiu se passar pelo seu perseguidor com as técnicas que descrevia. Mais de 18 anos se passaram desde o dia em que quebrei uma das antigas bridges telefônicas CCITT5 da MCI de discagem internacional, ligando de graça para a Hacker’s Heaven BBS me interando das últimas novidades da cena hacker underground. Não muito depois, os primeiros provedores de internet iniciaram suas atividades no Brasil – IBASE, Alternex, Mandic e Inside.

O mundo virtual ainda engatinhava. Enquanto alguns amigos grafitavam muros, andavam em tribos de skate, galeras de funk ou em gangues de lutadores de jiu-jitsu na zona sul carioca, escolhi o computador para meus tempos de rebeldia. O livro que você está prestes a ler é uma homenagem a essa geração que desbravou um mundo novo sem fronteiras, cujas regras eram traçadas somente pela ética dos jovens que ansiavam pela informação livre; quando as vozes e mentes brilhantes de alguns prevaleceram sobre poderosos governos e grandes corporações. Em tempos que exércitos usam as redes de computadores como mais uma frente de batalha, revoluções são organizadas por meios eletrônicos e a internet se tornou o meio de comunicação global, as memórias das aventuras de Kevin em Fantasma no Sistema nos lembram de como tudo começou e de uma galera cujos feitos ecoarão para sempre no ciberespaço.

3-  Dnpontocom, a vida secreta e glamourosa de um ex-hacker – de Daniel Nascimento

O que leva um jovem “nerd” e talentoso, ao descobrir sua aptidão para a tecnologia da informação, a tornar-se um hacker? O desafio, o estímulo, a busca do reconhecimento e a autoafirmação. Mas logo vem a opção: só “curtição” ou golpe (financeiro, muitas vezes), ou seja, o delito? Num relato emocionante e revelador, Daniel Nascimento conta agora, quase 10 anos depois, tudo para sua amiga Sandra Rossi. Como foi sua introdução ao mundo virtual, sua evolução, como ele foi atraído pelos criminosos, o deslumbramento. Carros, mulheres, poder! Tudo isso aos 15 anos, quando era considerado o melhor hacker do Brasil. Quase dois anos depois, em 2005, a Polícia Federal instaurou a Operação Ponto Com e prendeu a organização da qual ele fazia parte.  Daniel passou por momentos difíceis, como prisão, delação, acompanhamento das autoridades e liberdade vigiada. Sua vida e de sua família viraram um caos.

Somente agora, superada toda essa fase marcante, ele resolve contar à amiga Sandra todas as aventuras, os pensamentos, as experiências incríveis, mas que fizeram marcas profundas em sua vida. E nos mostra suas impressões sobre como o Brasil deveria lidar com a segurança de sistemas e com os talentos, geralmente jovens, que desafiam e encontram falhas nesses sistemas.  Um livro em que os amantes, curiosos e usuários da internet e do mundo virtual vão adorar saber como viveu um hacker brasileiro no auge do seu potencial!

4- Nós somos anonymous , por dentro do mundo dos Hackers – de Parmy Olson

Eles acreditavam que toda informação deveria ser livre, e eram capazes de invadir seu site se você discordasse disso. Combatiam o sistema e toda forma de governo imposta. Alegavam que não se tratava apenas de um grupo organizado, mas sim de pessoas dispostas a ‘tudo ou nada’. A descrição mais próxima seria uma ‘marca’, um ‘símbolo’, um ‘coletivo’. Suas poucas regras eram como aquelas do ‘Clube da Luta’: não fale sobre o Anonymous, não revele sua verdadeira identidade e não ataque a mídia.
Naturalmente, o anonimato dava a eles a liberdade de cometer certos delitos, como invadir servidores privados, roubar dados secretos de uma empresa, derrubar um site e depois devolvê-lo, completamente desfigurado. Algumas destas ações poderiam, inclusive, ser consideradas crimes, condenando-os à prisão por dez anos ou mais.

5- Chefão, como um hacker se apoderou do submundo – de Kevin Poulsen

O ex-hacker Kevin Poulsen construiu, ao longo da última década, uma reputação como um dos melhores repórteres investigativos no cenário do crime cibernético. Em Chefão, ele despeja seu acesso e sua perícia incomparáveis no formato de livro pela primeira vez, entregando uma narrativa de gato e rato viciante — e uma visão de dentro sem precedentes do crime organizado do século XXI. A notícia se espalhou pelo submundo dos hackers como um novo vírus que não pode ser detido: alguém – algum bandido brilhante e audacioso — acabara de realizar uma tomada hostil de uma rede criminosa online, a qual roubava bilhões de dólares da economia norte-americana. O FBI se apressou para iniciar uma operação secreta ambiciosa, com o objetivo de rastrear o novo rei do cybercrime: outras agências ao redor do mundo implantaram dezenas de mulas e de agentes duplos. Juntos, os ciberpoliciais atraíram inúmeros hackers desavisados para suas garras… Ainda que, em todas as vezes, sua presa principal exibisse uma habilidade especial para farejar os dedos-duros e ver através de seus planos. (…)

6- Diário Hacker: confissões de hackers adolescentes – de Dan Verton

O autor faz entrevistas com hackers adolescentes norte-americanos que continuam na ativa – invadindo sites e afins – e outros que “aposentaram o mouse”. Entrevista, também, agentes da FBI, oficiais de justiça e da lei, psicologistas criminais, professores e pais de hackers para explicar o que motiva esse tipo de crime. Conta, também, histórias da subcultura hacker.

7- Os bastidores do WikiLeaks – de Daniel Domscheit-berg

Em setembro de 2010, o então porta-voz do WikiLeaks e um dos co-fundadores do site, Daniel Domscheit-Berg, anunciou que estava deixando o cargo, alegando divergências com o fundador Julian Assange e deficiências organizacionais. Neste livro revelador, Domscheit-Berg relata os bastidores do site mais controverso e bombástico dos últimos tempos, desde seu primeiro encontro com Assange em 2007. A obra revela a evolução do site, os aspectos financeiros, as tensões internas da organização, entre outros aspectos surpreendentes. O autor ainda conta os motivos que o fizeram acabar com a parceria com Assange, como a falta de transparência e de neutralidade política da organização e a concentração de poder crescente de Julian. “O que vazou do WikiLeaks é apenas uma pequena fração da verdade”, afirma o autor. Os bastidores do WikiLeaks reúne toda a verdade sobre o polêmico site que fez o mundo tremer, contada por um de seus protagonistas.

8- Watchman, a vida excêntrica e os crimes do Serial Hacker Kevin Poulsen – de Jonathan Littman

Hacker. Um especialista em computadores, capaz de romper os mais sofisticados programas de segurança e penetrar em qualquer sistema de computador. Em Watchman, Jonathan Littman transporta o leitor para um mundo de criminosos cibernéticos. Baseia-se em horas de entrevistas com Poulsen, seus cumplices e seus perseguidores, o autor tece uma empolgante aventura na Fronteira Eletrônica.

9- Black Hat Phyton – de Justin Seitz

Quando se trata de criar ferramentas eficazes e eficientes de hacking, o Python é a linguagem preferida da maioria dos analistas da área de segurança. Mas como a mágica acontece? Em Black Hat Python, o livro mais recente de Justin Seitz (autor do best-seller Gray Hat Python), você explorará o lado mais obscuro dos recursos do Python – fará a criação de sniffers de rede, manipulará pacotes, infectará máquinas virtuais, criará cavalos de Troia discretos e muito mais. Você aprenderá a: Criar um cavalo de Troia para comando e controle usando o GitHub. Detectar sandboxing e automatizar tarefas comuns de malware, como fazer logging de teclas e capturar imagens de tela. Escalar privilégios do Windows por meio de um controle criativo de processo. Usar truques forenses de ataque à memória para obter hashes de senhas e injetar shellcode em uma máquina virtual. Estender o Burp Suite, que é uma ferramenta popular para web hacking. Explorar a automação do Windows COM para realizar um ataque do tipo man-in-the-browser. Obter dados de uma rede, principalmente de forma sub-reptícia. Técnicas usadas por pessoas da área e desafios criativos ao longo de toda a obra mostrarão como estender os hacks e criar seus próprios exploits. Quando se trata de segurança ofensiva, sua habilidade para criar ferramentas eficazes de forma imediata será indispensável. Saiba como fazer isso em Black Hat Python.

10- A Arte de Invadir – de Kevin Mitnick e William L. Simon

A lição que as histórias deste livro deixam é que os hackers estão descobrindo novas vulnerabilidades todos os dias, mas Mitnick não pretende ensinar vulnerabilidades específicas em produtos específicos, mas mostrar ao leitor novas atitudes e novas posturas em relação à segurança. ‘A Arte de Invadir’ é também um entretenimento feito para divertir, espantar e, finalmente, admirar em virtude das explorações continuamente surpreendentes desses hackers que usam a inteligência com más intenções. Algumas histórias são chocantes, servem de advertência, outras o farão rir com a ousadia inspirada do hacker. Se você é profissional de segurança ou da área de TI, toda história traz lições para você tornar sua organização mais segura. Se você não é um técnico, mas gosta de histórias de crime ousadas, arriscadas e que exigem sangue-frio, você encontrará tudo isso neste texto.

Ser um hacker não é nada fácil e demanda muito estudo do maior número de linguagem de programação possível, além de também necessitar um grande conhecimento em cibersegurança. É uma área que atualmente está crescendo e tem cada vez mais procura, além de ter estourado em filmes, séries de televisão e jogos eletrônicos; a cultura hacker parece ser algo que veio para ficar. E com esta lista de livros sobre esta crescente cultura você poderá entender deste assunto que ainda tem tanto para se falar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *